Isolamento social e saúde: como manter sua mente saudável e ativa em tempos de crise

Views: 14077

The complete platform for all your events

Book a Meeting
Posted on April 29, 2020

Segundo relatório da OMS divulgado em 2018, a depressão será a doença mais incapacitante de 2020 e no contexto de distanciamento social essa previsão pode ficar ainda mais grave.

Com inúmeras empresas tendo deslocado seus funcionários para o home office, os relatos de sobrecarga de trabalho ou a sensação de estar trabalhando mais do que no modelo presencial enchem as redes sociais.

Arthur Ferreira, coordenador de Marketing do CERS, relatou que desde que iniciou o home office em decorrência do distanciamento social, já chegou a trabalhar onze horas em um dia. “Tenho trabalhado muito mais. Apesar da flexibilidade de horários e a possibilidade de estar em casa, esse não é um momento de Home Office comum.

Estamos com a pandemia do COVID-19 em curso, consequentemente isto está afetando o comportamento de consumo do nosso público-alvo, promovendo queda no faturamento e a necessidade de estar sempre produzindo mais conteúdos gratuitos para a nossa audiência, por exemplo. 

Isso pressiona os times a produzirem mais, em alguns casos levando as equipes a trabalharem mais do que 9 horas por dia, movimento que também encontrei em outras empresas do segmento de varejo” revela.

Um dos perigos de trabalhar demais é desenvolver doenças como, Ansiedade, Depressão e a Síndrome de Burnout, que consiste no estado de estafa mental e física. Para prevenir essa situação, é preciso tomar alguns cuidados, especialmente no contexto de trabalho remoto.

Conversamos com a psicóloga Maria de Jesus Moura para entender como evitar o adoecimento neste período de distanciamento social forçado. Confira!

1. A depressão será a doença mais incapacitante do mundo em 2020 segundo a OMS. Como prevenir a doença no contexto de isolamento compulsório atual?

A depressão é uma patologia que atinge direta e exclusivamente a questão do humor, ou seja, ela promove um rebaixamento do humor e aí você tem algumas diferenças de como ela pode aparecer.

Classicamente existem duas formações [para o desenvolvimento da depressão]: uma que é endógena e está diretamente ligada a algo que é do organismo, a ausência da fabricação de algumas substâncias orgânicas e aí alteração o rebaixamento do humor.

E outra que também podemos identificar é aquela que é a exógena, [de origem] externa, e altera [este humor] por questões ambientais, relacionais, afetivas, emocionais.

Essa questão está diretamente ligada ao momento de isolamento compulsório atual.

Quem não tem ou não desenvolveu antecipadamente uma depressão, é possível que este confinamento possa provocá-la por alterar o humor em função das limitações de espaço, atividades, contato e relações.

Então, numa linha de cuidado e prevenção pode-se evitar um conjunto de coisas que são ruins para o humor. Ou seja, é preventivo você evitar coisas que sejam tristes para você como notícias, atividades, conflitos, etc.

É preventivo também, no sentido contrário, você entrar em contato com coisas que elevem esse humor, coisas divertidas, alegres, atividades que possam ser desenvolvidas com pessoas ou mesmo em redes sociais, mas que promovam o bem-estar emocional e psíquico e não o conflito, a tristeza, angústia ou preocupação.

Assim, é importante promover tudo aquilo que as pessoas puderem fazer do ponto de vista positivo para o humor, como trabalhar, fazer atividades lúdicas com a família, jogos, leituras, música, meditação e inclusive o exercício físico, que estimula uma energia positiva, desde que ele não seja estressante e cansativo.

Além disso, uma boa alimentação dentro da possibilidade financeira de cada pessoa, evitando alimentos pesados nesse momento, porque isso também pode dificultar o bem estar. Então, a gente está falando de atividades que promovam esse bem-estar e que podem ajudar no não rebaixamento do humor e, consequentemente, ao quadro de depressão. 

2. Como lidar de maneira saudável com o isolamento social?

O isolamento parece uma mudança drástica da atividade diária promovida por uma necessidade de cuidado da saúde: sua e das outras pessoas.

Por isso, a mudança precisa vir não como um castigo, como algo que promove algo de negativo na sua vida. Então, primeiro é conscientizar-se de que esse isolamento é um cuidado com sua saúde e consequentemente com a do outro, mas a princípio, a gente olha para si.

E aí a gente pensa: bom, eu estou cuidando da minha saúde, se para que eu fique bem é preciso que eu fique um tempo num leito de hospital, como já pode ter acontecido com você em algum momento da vida, ficar distante das pessoas no isolamento hospitalar, hoje, a gente tem o isolamento domiciliar.

Este é um cuidado cujo objetivo principal é a saúde e a partir dessa compreensão, vamos ter que pensar a relação com as pessoas. Quem mora com a família, como era o relacionamento previamente? Era bom? Não era?

Continuar evitando situações desagradáveis, compreendendo os limites desse isolamento para que a saúde e bem-estar sejam atingidos. Então, a maneira saudável de viver esse isolamento é pensar que: hoje eu preciso estar aqui para que eu possa cuidar do meu bem-estar e das pessoas que estão comigo. 

Amanhã é um novo dia. Mas [é preciso] evitar pensar quanto tempo o isolamento vai durar, até porque não temos uma previsão exata. 

Partindo disso, a gente só precisa pensar no nosso dia a dia,mas se eu fico preocupado em quando [o isolamento social] acaba, se [será] daqui há 15 dias, um mês, seis meses… e crio as expectativas de futuro, eu posso desenvolver um quadro de ansiedade por algo que está por vir, ou formo algumas fantasias como: “não aguento, preciso ver gente.” 

A gente foi criado nesse contexto de socialização, mas há de se entender a necessidade do afastamento social neste momento.

3. Em caso de necessidade de atendimento psicológico o que uma pessoa pode fazer para acessar a um tratamento?

Em caso de necessidade de atendimento psicológico, têm muitas possibilidades hoje em grupos e instituições que oferecem esse atendimento. Eu ressalto como uma questão de cuidado, você deve verificar no site do Conselho Federal e Regional de Psicologia e identificar quais são os psicólogos e psicólogas que estão cadastrados para este serviço [de atendimento remoto].

É muito importante que a população compreenda que esse cadastro é a segurança de que essas pessoas estão orientadas pelo seu órgão de classe e que as habilitam, na sua profissão a desenvolver essa atividade de maneira remota hoje, através do atendimento online.

Então, esse atendimento online precisa ser minimamente compreendido pela população de que nem todas as pessoas são psicólogos, porque talvez algumas pessoas promovam algum tipo de acolhimento a outras pessoas nesse momento de isolamento, mas nem todas são profissionais de psicologia. 

Por isso, através do site [dos conselhos regionais e federal de psicologia], você pode verificar o nome, local e número de registro do profissional. Existe um contrato que esses profissionais podem enviar por e-mail ou por WhatsApp, construindo essa relação.

Aqueles que já estavam em atendimento psicológico e já tinham um vínculo, não precisam desse contrato explícito. Mas os novos vínculos, seja no plantão psicológico ou numa psicoterapia, é necessário e importante que as pessoas disponibilizem em seus registros para que a população saiba que elas estão inscritas no conselho da categoria.

4. Quais os cuidados que um paciente deve ter ao realizar atendimento virtual com um psicólogo?

O atendimento virtual vai seguir os mesmos princípios do atendimento presencial. É a mesma lógica de estar no ambiente preservado, sigiloso, em que outras pessoas não tenham acesso ao que será comunicado nesse momento. 

Então, é muito importante que as pessoas reservem um canto na casa, que seja preservado. Pode ser qualquer lugar. O fone de ouvido ajuda bastante nesse processo, porque você pode falar em tom mais baixo e o profissional que tá do outro lado vai poder te ouvir, se você tem algumas restrições no ambiente da casa.

É importante que o atendimento continue no formato de tempo especificado pelas orientações da prática profissional. Então, o profissional precisa dizer quanto tempo ele trabalha, se vai ser semanalmente, se será uma ou mais de uma vez por semana a depender da necessidade de cada pessoa e do profissional.

E, principalmente, é importante que esses agendamentos sejam prévios para que tanto o profissional como o cliente possam estar prontos para esse atendimento no momento em que ele acontecer. 

5. Em caso de crise, como um paciente deve proceder?

Primeiramente é importante que nós entendamos: o que é crise? É quando algo sai do controle, ou seja, algo que estava de alguma forma controlada sai desse controle e a pessoa sozinha não consegue lidar com essa situação e precisa da ajuda de alguém.

É importante entender a crise dentro desse contexto. Em caso de crise, é importante que esse vínculo que foi estabelecido com o profissional também possa ser disponibilizado para estes momentos excepcionais fora do atendimento.

É necessário também que o paciente busque de maneira remota, uma ajuda e que o profissional possa colaborar com essa ajuda. Orientando ou no atendimento específico ou em ajuda complementar, dependendo da situação. 

Mas é importante que no vínculo construído com o profissional, o cliente saiba que, no momento de crise, de necessidade, ele pode recorrer a esse profissional para que ele possa ajudá-lo.

6. Dicas para manter a mente saudável no contexto de distanciamento social

É importante pensar numa lógica de uma vida dentro do espaço domiciliar e buscar todos os elementos saudáveis que você possa usufruir, enquanto relação com pessoas. Ou se você está só, o contato virtual com pessoas, contato constante.

Pessoas que trazem para você um bem-estar. Matar a saudade de quem você não vê há algum tempo. Fazer coisas na casa que você não fazia por conta da própria rotina de vida. Muitas pessoas começam a cuidar de plantas, fazer algumas comidas pra si de forma mais saudável do que àquela que ela tinha no dia a dia, por conta da rotina.

Então, na realidade, existe um conjunto de coisas que ao identificar que te fazem bem, você precisa cultivar. São muitas possibilidades, pode pintar, desenhar, tocar um instrumento musical, cantar etc. 

Hoje, a gente vai resgatar aquilo que perdemos pela força da rotina, das exigências sociais, dos nossos compromissos profissionais.

O dia a dia promoveu determinada corrida à realização, à construção, à obtenção de bens e serviços que a gente perdeu um pouco nesse momento.

Isso é o que agora a gente vai precisar resgatar: algo que a gente já tem, mas que desabilitou em um determinando momento, sendo assim, vamos habilitar isso em nós novamente. 

E no dia a dia, o que a gente tem pra fazer? A princípio, dá uma sensação de que não tem muita coisa pra fazer. Mas algumas pessoas que já conseguem compreender que tem muito o que fazer, como organização de materiais, uma faxina, uma arrumação de livros nas estantes, roupas etc. 

É uma possibilidade de usar esse tempo de uma forma mais ágil para manter sua mente ativa. Porque ficar deitado, dormindo somente, não é interessante. Isso deixa a vida mais lenta.

Mantenha uma rotina. Quem trabalha de casa precisa manter seu horário de trabalho, acordar cedo, tomar banho e trocar de roupa, se arrumar pra trabalhar. Criar na casa um certo ambiente de trabalho, que todo dia, você utiliza o espaço para suas atividades laborais.

Mas também é importante ter um outro ambiente, que não vai ser de trabalho. Onde você tem seu lazer, seu descanso. 

Enfim, tudo que você puder fazer para se sentir bem, leve, descansado, é saudável. Então, cada um dentro da sua realidade, vai procurar encontrar a maneira de se cuidar e de cuidar do outro. 

[hubspot portal=”5958648″ id=”5301f3e9-4597-497c-b2ed-bfd694541e55″ type=”form”]
WebManager
© InEvent, Inc. 2024